domingo, 28 de dezembro de 2014

Nossa Senhora do Ó





Nossa Senhora da Expectação ou Nossa Senhora do Ó, nome popular, recebe este título numa festa comemorativa que se inicia a 18 de Dezembro, a chama Semana do Advento. Devoção Mariana surgida em Toledo por volta do séc. VII, rapidamente o culto popular passou a apelidá-la de Nossa Senhora do Ó. Pode isto dever-se ao facto da forma oval da barriga que Maria apresenta, mas o mais provável é que seja por que em cada um dos sete dias da semana, a Igreja canta no Ofício Divino uma antífona que começa pela exclamação "Ó": Ó Sabedoria...Ó Adonai...Ó Raiz de Jessé...Ó Chave de David...Ó Oriente...Ó Rei das Nações...Ó Emanuel". Este canto é atribuído à Virgem e por isso passou a ser denominada de Nossa Senhora do Ó. Iconograficamente, é representada com o ventre avultado em fase final de gravidez, onde repousa sobre ele a sua mão e a outra se levante em sinal de aceitação da vontade divina. Pode também ser representada com uma mão sobre o ventre e com um livro na outra mão ou junto de uma fonte em referência à Fonte de Vida que ela carrega dentro de si. Com o surgimento do dogma da Imaculada Conceição no séc. XIX grande parte desta imagens desaparecem pois o ventre proeminente na Virgem não condizia com o título. Grande parte desta representações foram enterradas em altares de Igreja para serem de novo postas a descoberto no séc. XX. 

Madonna del Parto, Igreja de São Francisco de Paula, Firenze, Taddeo Gaddi.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

A Trindade Tricéfala



Como o próprio nome diz, a Trindade Tricefala refere-se à representação de três cabeças independentes num único corpo. Ao invés dos três rostos iguais, é possível ver também três rostos diferentes (trifacial) mas apenas uma única cabeça para o mesmo tema iconográfico. Neste representação vemos três rostos adjacentes, com quatro olhos, três narizes e três bocas, sendo ambas uma variante da mesma tipologia iconográfica. Pode ser representado de corpo inteiro ou então só o busto. Simbolicamente, tentou-se representar desta forma a igualdade a e identidade perfeita do Pai, do Filho e do Espírito Santo, que são três pessoas numa só. As fontes bíblicas referem na passagem de "Gn 18, 1-22" o episódio da hospitalidade de Abraão, onde o patriarca é visitado por três homens. Contudo, ao longo do texto é possível ver que Abraão se refere às visitas umas vezes como "homens" e outras como "Senhor", sendo ainda possível perceber que se referiu a apenas um deles dessa forma. Este tratamento ambíguo permitiu várias interpretações como de Santo Agostinho que afirmou que "Abraão viu três mas adorou apenas um", o que levou ao desenvolvimento desta iconografia.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Nossa Senhora do Leite



A Virgem do Leite é umas das representações de Maria, nesta amamentando o Menino Jesus. Datado já dos primórdios do cristianismo, quando os Padres da Igreja identificavam o tema da maternidade da virgem Maria com a própria Igreja. Tal como Cristo foi concebido pelo Espírito Santo, o neófito tem acesso a uma nova vida através do baptismo, através de Deus. Maria, como cabeça mística da igreja torna-se ela mãe de todos os cristãos,ou seja, ela converte-se na própria Igreja e, tal como mãe que é amamenta-nos e nos presta os cuidados necessários tal como fez com o seu filho.
Iconograficamente, a Virgem apresenta uma expressão melancólica ou de humildade, podendo estar de pé ou então sentada no trono, apresentando o seu peito ao Menino. Em relação ao espaço é comum aparecer no interior de uma habitação como também ao ar livre e podem estar somente os dois, ou a corte celeste poderá acompanhá-los na representação de anjos músicos. Algumas representações apresentam também João Baptista, ainda criança. O Menino poderá estar vestido ou então somente com um pano a cobrir o seu corpo desnudo. Nas primeiras representações, nas mais antigas, o Menino puxa o peito da Mãe por forma a mamar ainda que Maria oferece embora se represente completamente vestida. Mais tarde, o seio de Maria consegue vislumbrar-se por uma fenda no vestido, até que em representações do séc. XV e XVI a Virgem mostra o peito de forma explícita

Virgem do Leite, Frei Carlos, c. 1525


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

O Banho de Betsabé




Nas fontes, o banho de Betsabé ou Betsabé no banho é referido no Antigo Testamento:
- 2 Samuel 11:2-4 "Um dia, após o almoço, David levantou-se depois de ter dormido um pouco, e foi passear no terraço do palácio real. Do terraço avistou uma mulher que se banhava. E notou que era uma mulher muito bonita. David desejou saber quem era aquela mulher. Ao que lhe informaram: “O nome dela é Bat-Shéva, Bate-Seba, filha de Eliah e esposa de Urias, teu servo hitita."

Esta iconografia aparece sempre associada à do rei David, que envia Uriah, o hitita, para a morte. Uma tarde o rei vislumbra da sua janela uma jovem mulher de uma grande beleza, que se banhava. A fim de saber quem ela era, mandou alguém para descobrir ao que lhe disseram que era Bathsheba, a esposa Uriah. Mandou buscá-la, ela veio e deitou-se com ele. Contudo, ela engravidou e foi à presença do rei para o fazer saber; de modo a encobrir o escândalo, David enviou o marido de Betsabé para o campo de batalha, de modo a que este morresse, o que se veio a verificar. Passado o tempo de luto, David casou com ela mas este acto não agradou a Deus, que enviou o profeta Natan de modo a confrontar o soberano. Como castigo Deus haveria de tirar a vida ao filho de ambos que morreu após sete dias do seu nascimento

Betsabé é representada ora nua ora com roupa interior muito delicada, dentro de uma fonte ou de um rio que se encontram num jardim. O rei David observa-a da varanda do seu palácio. Por vezes, tanto o rei como Betsabé aparecem acompanhados por criados, e em alguns exemplos os emissários do David entregam a esta uma missiva. A imagem/iconografia do banho, pode aparecer como parte de um ciclo narrativo da vida do rei ou então de forma independente. O banho de Betsabé é interpretado como uma imagem da Igreja purificada pelo baptismo e salva do demónio, personificada na pessoa de David.

"O banho de Betsabé. Breviário de Leonor de Portugal, 1500-1510, Bruges (Bélgica). Nova York, The Pierpont Morgan Library, Ms. M. 52, fol. 329r.

Ref. bibliográficas: RÉAU, Louis (2000) (1ª ed. 1953-1956): Iconografía del arte cristiano. Iconografía de la Biblia. El Antiguo Testamento. Ediciones del Serbal, Barcelona.

--------------------------------------------------------------------------------------------

In the fonts, the bath of Bathsheba or Bathsheba at her Bath is refered in the Old Testament:
- 2 Samuel 11:2-4 "One evening David got up from his bed and walked around on the roof of the palace. From the roof he saw a woman bathing. The woman was very beautiful, 3 and David sent someone to find out about her. The man said, “She is Bathsheba, the daughter of Eliam and the wife of Uriah the Hittite."

This Iconography appears always associated to King David, who sents Uriah, hittite, to death. One afternoon the king sees upon his window a lovely, young and beautiful woman, who was bathing. King David, to discover who she was, sent a servant to find it out. The servant told him that she was Bathsheba, wife of Uriah. The king ordered her presence and he layed down with her. She got pregnant and went to the King to know what to do. David sent Bathsheba husband to the battlefield, so that he would die. After the mourning time David married Bathsheba, which did not please God, Who sent Natan the prophete so that he would confront the King. As a punishment, God would take their son life, who indeed died at the seventh day of birth.

Bathsheba is represented naked or with delicated clothes, in a fontain or in a river inside a garden. King David watches her from the balcony of his palace. Sometimes, the king and Bathsheba appear surrounded by servants, and in other examples the emissaries of David deliver to Bathsheba a letter. The iconography of the Bath may appear as a part of a narrative cycle of King David's life or in an independant cycle.

RÉAU, Louis (2000) (1ª ed. 1953-1956): Iconografía del arte cristiano. Iconografía de la Biblia. El Antiguo Testamento. Ediciones del Serbal, Barcelona.
 
Lovingly designed by Tasnim